segunda-feira, setembro 25, 2017

JUVENÍLIA VII



Juvenília VII
.
Ah! quando face a face te contemplo,
E me queimo na luz de teu olhar,
E no mar de tua alma afogo a minha,
E escuto-te falar;
.
Quando bebo no teu hálito mais puro
Que o bafejo inefável das esferas,
E miro os róseos lábios que aviventam
Imortais primaveras,
.
Tenho medo de ti!... Sim, tenho medo
Porque pressinto as garras da loucura,
E me arrefeço aos gelos do ateísmo,
Soberba criatura!
.
Oh! eu te adoro como a noite
Por alto mar, sem luz, sem claridade,
Entre as refegas do tufão bravio
Vingando a imensidade!
.
Como adoro as florestas primitivas,
Que aos céus levantam perenais folhagens,
Onde se embalam nos coqueiros presas
.
Como adoro os desertos e as tormentas,
O mistério do abismo e a paz dos ermos,
E a poeira de mundos que prateia
A abóbada sem termos! ...
.
Como tudo o que é vasto, eterno e belo;
Tudo o que traz de Deus o nome escrito!
Como a vida sem fim que além me espera
No seio do infinito.
.
FAGUNDES VARELA
.
Foto de Aaron Gershon

segunda-feira, setembro 18, 2017

ESCREVO, NAS FOLHAS GASTAS DA MEMÓRIA ...





escrevo, nas folhas gastas da memória
amarelecidas, pela secagem
de um tempo
cansado


escrevo, com tinta fresca
para te sentir presente,
quando o sol
despontar


escrevo, no meu próprio sono
como se fosse voragem
sonhando nos teus braços
apressada


escrevo, nas estrelas
os teus olhos brilhantes
os espaços que damos em insónias
perigosas


escrevo, na chama cortada
por uma voz escutada,
entre os nossos olhares
cúmplices


escrevo,
perco-me em ti
e não trago mapa


helena maltez

foto de Irina Z

terça-feira, setembro 05, 2017

AS PALAVRAS DEVERIAM TER ASAS ...





As palavras deveriam ter asas,
a cor das borboletas,
o perfume das rosas de Maio.

Não me interessam os verbos
com demasiados tempos e modos

Quero escrever um poema
e ressuscitar em ti a Primavera!

ALBINO SANTOS

sexta-feira, setembro 01, 2017

O NOSSO TEMPO ...



Quanto tempo passou...?

Onde andaste ...?

Onde eu andei ...?

Não sabias de mim...

Nada sabia de ti...


E o tempo continuou a passar...


A tua imagem perdurava em meu coração...

Tu também não me esqueceste....

Muito tempo passou....


O amor, por ti, mantinha-se...

Continuavas a amar-me...


Novos rumos tomámos...

O tempo ganhou tempo....

Os dias fizeram anos...


O destino quis que nos reencontrássemos...

O destino quis apagar seus erros do passado...


O tempo, por momentos, parou...

Deixou-nos ser felizes por um tempo...


Mas o tempo é imparável...

E o destino também...

A vida continuou seu rumo...

Com lembranças mais vivas...

Que o tempo não pode apagar...



Luis Milhano (Lumife)

31 Agosto 2010


Foto de Vlad Belin

quarta-feira, agosto 30, 2017

VIRGÍNIA



VIRGÍNIA

Embora o sol fosse alto ainda, áquela
hora já dali desertara, as sombras iam
saindo aos poucos de debaixo dos armários.
De vez em quando as mãos, completamente absortas,
detinham-se no ferro, sobre a tábua, ao lado
do gigo agora esvaziado e dos pesados
tabuleiros de verga, onde se erguia a roupa.
Tornavam-se mais nítidos, assim, os seus
contornos recortados contra a luz.
Dali podia-se avistar o mundo inteiro.
Ao longo dos telhados, por onde um ou outro gato
corria atrás das pombas, oscilava
ligeiramente a corda, onde a cidade, o céu
e os montes pareciam pendurados.



Luís Miguel Nava

1957/1995


Foto de Miahaell

segunda-feira, agosto 28, 2017

Lúcida, a manhã canta na tua voz de prata,




Lúcida, a manhã canta na tua voz de prata,
Meu amor perdido que a saudade aquece.
Na cidade exangue donde eu vim poeta
Lembro a voz do vento que hoje me entristece...

Lembro as tuas faces, meu amor ausente,
Que a lembrança guarda no seu fumo triste,
Que paisagens novas me fizeram pobre
Nesta alma exausta que hoje em mim existe.

Ó sol, meu padrinho, flor do céu!
Que alegria, amor, quando o sol perdoa.
Há gemidos novos na paisagem nova
Meu amor perdido que em minha alma soa.

Antunes da Silva, Canções do Vento

domingo, agosto 27, 2017

APELO



APELO
.
Atravessa os caminhos da noite
e vem.
.
A minha pele
ainda cálida de sol
te será margem.
.
Nas fontes, vivas,
do meu corpo
saciarás a tua sede.
.
Os ramos dos meus braços
serão sombra rumorejante
ao teu sono, exausto.
.
Atravessa os campos da noite
e vem.
.
Luísa Dacosta, 
.
in CEM POEMAS PORTUGUESES NO FEMININO, (Terramar, 2005)
.
Luísa Dacosta,
.
in CEM POEMAS PORTUGUESES NO FEMININO, (Terramar, 2005)

quinta-feira, agosto 24, 2017

A PALAVRA QUE DESNUDO




Entre a asa e o voo
nos trocámos
como a doçura e o fruto
nos unimos
num mesmo corpo de cinza
nos consumimos
e por isso
quando te recordo
percorro a imperceptível
fronteira do meu corpo
e sangro
nos teus flancos doloridos
Tu és o encoberto lado
da palavra que desnudo


Mia Couto

Art de Arsen Kurbanov

terça-feira, agosto 22, 2017

ABRAÇO IMAGINADO



ABRAÇO IMAGINADO
.
um abraço imaginado pousou-me hoje no peito
e trouxe com ele o teu jeito
de chegar
de sonhar
de gostar
com um gosto tão perfeito
cegou-me no seu apertar
incessante
ofegante
de tonalidade brilhante
lembrando um vento solar
.
por ofuscar-me o olhar
com seu brilho penetrante
as lágrimas que escorreram
por sentir teu abraçar
eram como estrelas d’água
com o sol a cintilar.
um abraço imaginado, deixou-me hoje sozinho
com as mãos tocando o nada
o corpo sem uma morada
e a alma em desalinho
.
Nuno Guimarães, in Pedaços de ti-
.
Arte de Audrey Kawasaki

domingo, agosto 20, 2017

UM BREVE SOPRO


Um breve sopro,
talvez uma ténue aragem
um rumor de pássaro iniciando um voo
quiçá um nenúfar suspenso na aguagem
do rio desfalecido que já sou.

Um leve, quase impercetível pulsar
na fímbria esquecida do coração
um velho mas renovado despertar
no tardio florir do desejo e da paixão.

Um instante riscado no cristal do tempo
talvez um tempo vestido pelo avesso
quem sabe se o amargo deslumbramento
que sinto e desencanto em cada verso.
.
Miguel Afonso Andersen, in A aparição de Sofia

segunda-feira, agosto 14, 2017

AQUELA JANELA



AQUELA JANELA...
.
Aquela janela...
Onde meu corpo vergado
Acolhia teu busto enamorado.
.
Aquela abertura...
Onde o luar espreitava
O reflexo dos teus olhos quentes de lava.
.
Aquele sítio...
Onde o calor dos nossos beijos
Ateava o fogo da paixão e dos desejos.
.
Aquela janela...
Onde sonhos se construíam
E sorrisos se fundiam.
.

Aqueles momentos...
Em que o silêncio imperava
Loucuras mil se sonhava...
.
Aquelas horas...
Minutos fugidíos, fugazes,
De que felicidade éramos capazes...
.
Aquela janela...
Virada para o silêncio da rua
Onde o amor sucedia sob os olhos da lua.
.
Aquelas paredes...
Mudas testemunhas de um beijo,
Duma carícia, duma despedida, dum desejo.
.
Aquele silêncio, aquela rua,
Aquela janela, aquela felicidade,
Tudo desapareceu com a cidade...
.
Aquela janela, aquele silêncio,
Aquela rua... indeléveis companheiros meus,
Perene confirmação do último adeus.
.
Aquela janela...
Chaga viva, magoa sempre, até fere.
Impossível aceitar o que o destino quer.
.
Aquela janela...
Orvalhada por lágrimas doridas,
Expiadas e sofridas.
.
Aquela janela...
Um dia se abrirá de par em par
Afastará a tristeza, a dor e a saudade
E deixará o Sol entrar...

.
06 de Abril de 2006
.
Luis Milhano (Lumife)

Foto de João Torres

sexta-feira, agosto 11, 2017

AQUELA RUA ...




Aquela rua...
Que saudades... daquela rua.
A rua minha e tua.
Comprida ou curta...
Comprida para chegar
E ver o teu olhar.
Curta ao abalar...
Num instante
Perdia o teu olhar.
Naquela rua...
Mesmo com escuridão
Brilhava o teu coração.
Naquela rua...
Nas noites do luar
Havia amor a soltar.
Naquela rua...
As minhas mãos
Procurando a tua.
Naquela rua...
Uns lábios doces
Cor de amora...
Naquela rua...
Os beijos longos
Tinham demora.
E um dia...
Aquela rua...
Minha e tua,
Ficou só,
Vazia e nua.
Hoje, olho a rua
E as pedras que pisei,
Falam-me do tempo
Que tanto amei.
Olinda Bonito
14/03/06




Foto de Tatyana Solenikova 

segunda-feira, agosto 07, 2017

ENQUANTO HOUVER ... e PODRÁ NUBLARSE ...

ENQUANTO HOUVER ...

Enquanto houver uns olhos que reflectem outros olhos que os fitam, 

enquanto a boca responda a suspirar 
aos lábios que suspiram, 

enquanto sentir-se possam ao beijar-se duas almas confundidas, 

enquanto exista uma mulher formosa,
haverá poesia!

GUSTAVO ADOLFO BÉCQUER

II

Podrá nublarse el sol eternamente; 
Podrá secarse en un instante el mar; 

Podrá romperse el eje de la tierra 
Como un débil cristal. 

-todo sucederá- Podrá la muerte 
Cubrirme con su fúnebre crespón; 

Pero jamás en mí podrá apagarse
La llama de tu amor.

GUSTAVO ADOLFO BÉCQUER

Gustavo Adolfo Claudio Domínguez Bastida (Sevilla, 17 de fevereiro de 1836-Madrid, 22 de dezembro de 1870), mais conhecido como Gustavo Adolfo Bécquer, foi um poeta e narrador espanhol.
Foto - John Farrar.

domingo, julho 30, 2017

AO IDEAL





AO IDEAL

A quem como a ti amei eu, ó sombra amada !

Atraí-te a mim, pra dentro de mim - e desde então


quase me fiz eu sombra, e corpo tu.

Todavia, os meus olhos não aprendem,

afeitos a ver as coisas fora de si;

pra eles és sempre o eterno "fora-de-mim".

Ah, estes olhos põem-me fora de mim !

De : F. Nietzsche 

Friedrich Wilhelm Nietzsche - alemão- 15 Outubro 1844 -- 25 Agosto 1900 - foi um filósofo, crítico cultural, poeta, filólogo.

Foto de Ilya Rashap


sábado, julho 29, 2017

RETRATO



RETRATO
.
Amo-te; e o teu corpo dobra-se,
no espelho da memória, à luz
frouxa da lâmpada que nos 
esconde. Puxo-te para fora
da moldura: o teu rosto branco
abre um sorriso de água, e
cais sobre mim, como o
tronco suave da noite, para
que te abrace até de madrugada,
quando o sono te fecha os olhos
e o espelho, vazio, me obriga
a olhar-te no reflexo do poema.
.
NUNO JÚDICE
In Pedro Lembrando Inês, 2002

quinta-feira, julho 20, 2017

ENVELHECER


ENVELHECER

Boa noite, velhice, vens tão cedo!
Não esperava, agora, a tua vinda.
Eu tão despreocupado estava, ainda,
Levando a vida como num brinquedo…

Tens tão meigo sorriso e um ar tão ledo;
Nos teus cabelos como a prata é linda!
Ao meu teto, velhice, sê bem-vinda!
Fica à vontade. Não me fazes medo.

E ela assim me falou, em tom amigo:
- Estranha me supões, mas, em verdade,
Há muito tempo que, ao teu lado, eu sigo.

Mas, da vida na estúrdia alacridade,
Não me viste viver, seguir contigo…
Eu sou, amigo, a tua mocidade.

Bastos Tigre

Poeta Brasileiro

1882/1957

Foto de Khanina

segunda-feira, julho 17, 2017

Nomeei-te no meio dos meus sonhos ...




Nomeei-te no meio dos meus sonhos 

Chamei por ti na minha solidão

troquei o céu azul pelos teus olhos

e o meu sólido chão pelo teu amor


Ruy Belo

1933-1978


Foto de Kapitan Nemo

domingo, julho 16, 2017

CATILINA





Eu sou o solitário e nunca minto.
Rasguei toda a vaidade tira a tira
E caminho sem medo e sem mentira
À luz crepuscular do meu instinto.
.
De tudo desligado, livre sinto
Cada coisa vibrar como uma lira,
Eu – coisa sem nome em que respira
Toda a inquietação dum deus extinto.
.
Sou a seta lançada em pleno espaço
E tenho de cumprir o meu impulso,
Sou aquele que venho e logo passo.
.
E o coração batendo no meu pulso
Despedaçou a forma do meu braço
Pr’além do nó de angústia mais convulso.
.
Sofia de Mello Breyner
.
Foto de Reda Danaf

sexta-feira, julho 14, 2017

SÚPLICA


Súplica

A provar que hei perdido a segurança
Desde, Senhora, que cheguei a ver-vos,
Ao juízo recusam-se-me os nervos,...
E sucede-me insólita mudança.

Tremo por mim, pesar que a linda e mansa
Face vossa me induza a vir dizer-vos
Esta infinita insânia de querer-vos
E na alma quanto sinto de esperança.

Apiedai-vos de mim, cuja loucura
Em toda parte só divisa abrolhos
Depois de ter o olhar de leve posto

Em vosso airoso talhe, em vossa alvura,
Nas duas noites que mostrais nos olhos,
Nas duas rosas que trazeis no rosto.

Aníbal Teófilo

Poeta Brasileiro

1873/1915


Foto SS STUDIO

sexta-feira, julho 07, 2017

ESPERA

Deito-me tarde
Espero por uma espécie de silêncio
Que nunca chega cedo
Espero a atenção a concentração da hora tardia
Ardente e nua
É então que os espelhos acendem o seu segundo brilho
É então que se vê o desenho do vazio
É então que se vê subitamente
A nossa própria mão poisada sobre a mesa

É então que se vê passar o silêncio
Navegação antiquíssima e solene.

Sophia de Mello Breyner Andresen


Pintura de Iman-Maleki

domingo, julho 02, 2017

UNS LINDOS OLHOS, VIVOS, BEM RASGADOS




UNS LINDOS OLHOS, VIVOS, BEM RASGADOS
.
Uns lindos olhos, vivos, bem rasgados,
um garbo senhoril, nevada alvura;
metal de voz que enleva de doçura,
dentes de aljôfar, em rubi cravados;
.
fios de ouro, que enredam meus cuidados,
alvo peito, que cega de candura;
mil prendas e (o que é mais que formosura)
uma graça que rouba mil agrados;
.
mil extremos de preço mais subido
encerra a linda Márcia, a quem of’reço
um culto que nem dela ‘inda é sabido;
.
tão pouco de mim julgo que a mereço,
que enojá-la não quero de atrevido
co’as penas que por ela em vão padeço.
.
FILINTO ELYSIO
.
Filinto Elysio era o nome arcádico por que ficou conhecido o P.e Francisco Manuel do Nascimento, nascido em Lisboa a 23 de Dezembro de 1734 e falecido em Paris a 25 de Fevereiro de 1819. Teve de se exilar para fugir à Inquisição, devido às suas ideias liberais e iluministas. Esteve quatro anos em Haia (Holanda), antes de se fixar em Paris. Se, em Lisboa, fora professor da Marquesa de Alorna (Alcipe), na capital francesa travou conhecimento com o grande poeta romântico Lamartine. Levou uma vida difícil como tradutor, mas poetou infatigavelmente.
.
Foro de Novikov
.

sábado, junho 24, 2017

O TEU RETRATO



O TEU RETRATO
.
Deus fez a noite com o teu olhar,
Deus fez as ondas com os teus cabelos;
Com a tua coragem fez castelos
Que pôs, como defesa, à beira-mar.
.
Com um sorriso teu, fez o luar
(Que é sorriso de noite, ao viandante)
E eu que andava pelo mundo, errante,
Já não ando perdido em alto-mar!
.
Do céu de Portugal fez a tua alma!
E ao ver-te sempre assim, tão pura e calma,
Da minha Noite, eu fiz a Claridade!
.
Ó meu anjo de luz e de esperança,
Será em ti afinal que descansa
O triste fim da minha mocidade!
.
ANTÓNIO NOBRE (1867-1900)
.
Foto de Aleksandr Krivickij
.

quinta-feira, junho 22, 2017

UM CAMPO BATIDO PELA BRISA

A tua nudez inquieta-me.

Há dias em que a tua nudez
é como um barco subitamente entrado pela barra.
Como um temporal. Ou como
certas palavras ainda não inventadas,
certas posições na guitarra
que o tocador não conhecia.

A tua nudez inquieta-me. Abre o meu corpo
para um lado misterioso e frágil.
Distende o meu corpo. Depois encurta-o e tira-lhe
contorno, peso. Destrói o meu corpo.
A tua nudez é uma violência
suave, um campo batido pela brisa
no mês de Janeiro quando sobem as flores
pelo ventre da terra fecundada.

Eu desgraço-me, escrevo faço coisas
com o vocabulário da tua nudez.
Tenho “um pensamento despido”;
maturação; altas combustões.
De mão dada contigo entro por mim dentro
como em outros tempos na piscina
os leprosos cheios de esperança.
E às vezes sucede que a tua nudez é um foguete
que lanço com mão tremente desastrada
para rebentar e encher a minha carne
de transparência.

Sete dias ao longo da semana,
trinta dias enquanto dura um mês
eu ando corajoso e sem disfarce,
iluminado, certo, harmonioso.
E outras vezes sucede que estou: inquieto.
Frágil.
Violentado.

Para que eu me construa de novo
a tua nudez bascula-me os alicerces.


Fernando Assis Pacheco


Foto de Denis Bogomolov

sábado, junho 03, 2017

A UMA MULHER DO MEU PAÍS



A UMA MULHER DO MEU PAÍS
.
Abre as asas, tu que não desistes
de encontrar as asas nos teus braços
e com eles descobrires novos espaços.

.
Abre as asas, tu que não desistes
de rasgar, no tempo, o calendário
que preenche, em cada dia, o teu diário.

.
Abre as asas, tu que não desistes
de mostrar que és viva, e continuas
percorrendo, serena, as mesmas ruas.

.
Abre as asas, tu que não desistes
de mudar a face da cidade
em ímpetos de arrojo e de vontade.

.
Abre as asas, tu que não desistes
de enfrentar o sol que te encandeia
e quebra a tua última cadeia.
..
Abre as asas, amor, e segue em frente,
voa sempre, voa sempre, sem cansaço,
e ensina a voar toda esta gente
que continua especada olhando o espaço.
.
FERNANDO PEIXOTO
.
Pintura de Rob Efferan

.

domingo, maio 21, 2017

RAZÕES DE AMOR



Razões de amor...

I

Gosto desse teu ar tristonho,
desse olhar de melancolia,
mesmo nos momentos de prazer e de sonho,
ou nos instantes de amor e de alegria...

Gosto dessa tua expressão de ternura
tão suave e feminina,
desse olhar de ventura
com um brilho úmido a luzir num profundo langor...
Desse teu olhar de meiguice que me cativa e domina,
tu que dás sempre a impressão de quem precisa
de proteção e amor...

Desse teu ar de menina, desse teu ar
que te faz mais mulher
ao meu olhar...

Gosto de tua voz, tranquila, do tom manso
com que falas, como se acariciasses
até as palavras que dizes;
de tua presença, que é assim como um quieto remanso,
um pedaço de sombra onde me abrigo
quando somos felizes...

Gosto desse teu jeito calmo, sossegado,
com que te encostas em meu peito
e te deixas ficar
entre ternuras e embaraços,
como se tudo ficasse, de repente, parado,
e teu mundo pudesse ser delimitado
pelos meus braços...

Gosto de ti assim, pequenina, macia,
quando te aperto contra mim e te sinto
minha
(inteiramente nua)
e tens um ar abandonado, como quem caminha
sonâmbula, por um estranho caminho
feito de céu e de lua...

II

Gosto de ti
desesperadamente:
dos teus cabelos de tarde
onde mergulho o rosto,
dos teus olhos de remanso
onde me morro e descanso;
dos teus seios de ambrósias,
brancos manjares trementes
com dois vermelhos morangos
para as minhas alegrias;
de teu ventre – uma enseada
– porto sem cais e sem mar –
branca areia à espera da onda
que em vaivém vai se espraiar;
de teus quadris, instrumento
de tantas curvas, convexo,
de tuas coxas que lembram
as brancas asas do sexo;
– do teu corpo só de alvuras
– das infinitas ternuras
de tuas mãos, que são ninhos
de aconchegos e carinhos,
mãos angorás, que parecem
que só de carícias tecem
esses desejos da gente...
Gosto de ti
desesperadamente;
gosto de ti, toda, inteira
nua, nua, bela, bela,
dos teus cabelos de tarde
aos teus pés de Cinderela,
(há dois pássaros inquietos
em teus pequeninos pés)
– gosto de ti, feiticeira,
tal como tu és...
(J.G. de Araújo Jorge)

Foto de Sergey Ryzhkov
.

quarta-feira, maio 10, 2017

DIA E NOITE ...


Foto de Luis Milhano.


Dia
E noite
Corri pela cidade
Percorri ruas e avenidas
Becos, largos, vielas e jardins
Cambaleando, por fim sentei-me num banco
Pensativo, nervoso, indignado, pesaroso, arreliado, arrependido, teimoso
Recomecei a caminhada na tua direcção
Não queria perder-te outra vez
Corri mais esforço final
O nevoeiro cerrado
Escondeu-te bem
Perdi-te

L.M.